This browser doesn't support Spotify Web Player. Switch browsers or download Spotify for your desktop.

Dicas de uma Fisioterapeuta para a prática de Yoga - Yoga Falado #09

By YogIN App

Dicas de uma Fisioterapeuta para a prática de Yoga Desde que eu comecei a praticar Yoga procuro associar a prática com a ciência. Sou fisioterapeuta e a parte física desta filosofia me encanta muito, embora a sutil me encante ainda mais. Encanta porque pode ser relacionada a conhecimentos atuais de pesquisas recentes que a ciência está tentando comprovar ou que está em voga nos dias de hoje. Algo que já existe há muito tempo, o Yoga, hoje ainda mostra seu valor e veracidade, contribuindo com o bem estar e saúde das pessoas.Durante a minha sadhana eu escolho observar meu corpo, as sensações, os efeitos de cada técnica, correlacionando o que sinto, vivo e vejo na prática com o conhecimento da Fisioterapia. Eu acho super positivo quando podemos usar a nosso favor aquilo que a ciência está pesquisando e trazendo de informações atuais. Escrevi outro texto para esse blog: “Pra que Meditar”, que fala sobre o que ciência anda pesquisando sobre a meditação. Nele, listo alguns artigos científicos que mostram aos benefícios físicos da meditação constante. Podemos ver o interesse da ciência e dos pesquisadores em contribuir para o aprimoramento de uma técnica milenar, trazendo mais confiabilidade para algo que já sentimos na pele.Hoje em dia está mais latente a intenção dos praticantes e dos professores de Yoga em compreender o corpo humano, incorporando na sua atuação conceitos como anatomia, fisiologia e biomecânica por exemplo. Pensando nisso, lançaremos em breve um Curso: A Ciência do Ásana com o objetivo de capacitar o praticante/professor de Yoga a compreender os conceitos básicos do corpo humano para uma execução segura e saudável dos ásanas. Uma prática segura e saudável deve ser a meta de qualquer profissional que esteja inserido no meio do Yoga. Por isso, listei 5 dicas iniciais e considerações básicas, sob a ótica da Fisioterapia para você trazer a consciência e aplicar na sua sadhana ou na sua aula. 1- A primeira e mais importante é: A prática de asana pode causar lesão. SIM é isso mesmo! O Yoga é fantástico e uma forma excelente de trabalhar e beneficiar para vários aspectos do corpo. No entanto, Yoga também machuca se não for praticado com consciência, cautela e conhecimento de conceitos básicos sobre o funcionamento do seu corpo. O fator mais relevante para o surgimento de lesão é o nosso próprio EGO. Aquele desejo de fazer uma linda postura a qualquer custo. Recomendação: muita atenção a sua real motivação para aquisição de determinado asana e lembre-se de praticar o ahimsa para si mesmo em primeiro lugar sempre. 2- Cada corpo é um corpo. Único! Apesar de termos a mesma configuração anatômica com a mesma quantidade e disposição de ossos, músculos. articulações, tendões….(salvo em caso de anomalias), cada indivíduo tem a sua particularidade dentro deste padrão na forma do corpo humano. Isso significa que: O Yoga é para todos, mas nem todos os asanas são. Ou ainda: a versão mais avançada do asana nem sempre poderá ser alcançada. Já que isso depende muita da especificidade do posicionamento e angulação das suas principais articulações (encaixe dos ossos que permitem maior ou menor liberdade de amplitude de movimento). Recomendação: Sinta o seu corpo! Se a sensação da amplitude final e máxima que você consegue atingir é uma sensação de bloqueio seco como se um osso estivesse se chocando em outro, com um leve incômodo dentro da articulação, pare por aí!3- Busque sempre o melhor alinhamento do seu corpo dentro de cada postura. Isso é importante para evitar o desgaste articular a longo prazo. É comum quando não dominamos a postura ou quando o corpo ainda não está devidamente preparado em relação a força suficiente ou alongamento muscular adequado, que as compensações apareçam com desvios posturais, como uma estratégia para tentar alcançar a melhor performance. O que não é nada benéfico para o seu corpo. É preferível manter um alinhamento perfeito em uma amplitude aquém do esperado ou do que o colega ao lado está realizando, do que alcançar um ponto além na postura às custas de compensações que causam stress desnecessário ao corpo. Recomendação: o Yoga é uma prática individual que dispensa qualquer tipo de comparação. Pratique a aceitação consigo mesmo e perceba que aos poucos o seu corpo adquire força e flexibilidade suficientes para a evolução.4- Existem dores e DORES! Para uma prática segura, saudável e com direito à evolução, precisamos levar a nossa atenção aos pedidos e gritos de socorro do nosso corpo!Atenção: Existe a dor que podemos suportar, existe a dor que precisamos respeitar e existe a dor que devemos evitar. Dor para suportar: é aquela que acontece dentro do seu músculo, preferencialmente no ventre dele, na região mais centralizada. Aquela famosa queimação quando estamos mantendo o ásana em um tempo de permanência maior. Podemos enfrentar esse incômodo a fim de ganhar mais força e aprimoramento na postura.Dor para respeitar: é a dor do alongamento excessivo, quando estamos em uma postura de máxima amplitude e estiramento muscular. Nesse momento, para evoluir é preciso manter os segmentos corporais bem próximos do ponto máximo que você consegue suportar. No entanto, quando a sensação de máximo estiramento surge, não ultrapasse esse limite para não causar microlesões nas fibras musculares. Mantenha nesse ponto por no mínimo 30 segundos e retorne lentamente.Dor para evitar: qualquer dor que aconteça dentro das suas articulações: ombros, cotovelos, punho, coluna, quadril, joelhos e tornozelos, devem ser evitadas. Pois é sinal de que as estruturas internas estão sofrendo algum tipo de stress que pode causar lesão.Recomendação: Escute o que o corpo diz e localize qualquer incômodo que aparecer durante a prática. A linguagem do corpo é clara: a dor é sentida quando há uma interpretação reflexa de uma possível lesão nas estruturas físicas. Você pode usar a inteligência e conhecimento prévio de si mesmo para escolher o melhor neste momento: evitar ou superar! 5- O eixo do corpo é um local de extrema importância, inclusive para que as extremidades consigam desempenhar seu papel com eficiência. Por isso, a coluna vertebral é um grande tesouro que deve ser tratada com muito carinho e atenção! Faça movimentos em todos os planos e eixos para equilibrar as forças estabilizadoras do corpo. Esses movimentos são: flexão à frente, extensão ou retroversão, lateralização (para os dois lados) e torção. Recomendação: antes de todo e qualquer asana procure tracionar o eixo, aumentando o espaço entre as vértebras para auxiliar na nutrição e lubrificação dos discos intervertebrais (estruturas responsáveis por absorver carga e amortecer os movimentos), proporcionando movimentos mais seguros e promovendo saúde para a coluna. Incorporar essas dicas na prática/aula traz diferenças positivas que o corpo desfrutará. Nosso corpo é o nosso templo, o veículo que nos possibilita experimentar e vivenciar a existência, por isso precisa ser cuidado com amor. Tenha sempre a intenção de fazer melhor e evoluir, mas não se machuque neste caminho. Você é a pessoa que mais conhece o seu corpo! Comece a compreender como identificar seus limites e a partir daí ultrapassá-los se for possível.Boas práticas! Namastê  

Listen to Dicas de uma Fisioterapeuta para a prática de Yoga - Yoga Falado #09 now.

Listen to Dicas de uma Fisioterapeuta para a prática de Yoga - Yoga Falado #09 in full in the Spotify app